O mercado consumidor chinês

2017-08-30

O mercado consumidor chinês

O mercado chinês pode não estar mais crescendo na casa dos dois dígitos como já aconteceu, mas amadureceu e continua num ritmo apenas menos acelerado. O resultado é que nos últimos anos houve uma profunda mudança de patamar da população e o surgimento de uma classe média poderosa, ávida por consumo.

São mais de 300 milhões de pessoas que passaram a se vestir melhor, comprar carro e alterar sua dieta alimentar. Para colocar em ordem de grandeza, os gastos com alimentação dos chineses se multiplicou por 10 nos últimos 20 anos. O Chinês gasta quase 40% de sua renda com alimentação. Eles gostam de consumir coisa boa, diferente e com sabor. Apesar de ainda consumirem mais carne de Porco e Frango, graças a ocidentalização que acontece no país, as redes de Fast Food que servem os conhecidos “hambúrgueres” cresceram violentamente e esse acabou sendo um dos fatores do sucesso das exportações bovinas do Brasil. Estudos mostram que 8% da população já consome esse tipo de proteína animal.

Com a abertura do mercado e o ganho de capital dos chineses, antigas tradições alimentares dão lugar a novos produtos. O Porco está dando lugar ao Boi. A carne vermelha é considerada uma “novidade”, tanto que ainda não há percepção de marca como já existe em relação a carne suína. Essa talvez seja a grande oportunidade do mercado brasileiro. Se consolidar como referência de qualidade, sabor e confiança.

Atualmente os chineses consomem apenas 5 quilos de carne bovina por ano. Só que a população é tão grande que se esse número subir apenas 500 gramas esse ano, já será um salto de vendas excepcional de 650 mil toneladas.

A produção interna não é capaz de cobrir a demanda, que não para de crescer. Com isso, a China sozinha já importa 37% da carne brasileira. Para conquistar esse mercado, o Brasil se adequou a todas as normas certificativas do mercado regulador da China, motivo de orgulho e comemoração do produtor brasileiro.

Fonte: China’s Animal Protein Outlook to 2020: Growth in Demand, Supply and Trade. Rabobank. 2017.

Posts Relacionados